Dúvidas frequentes

É a retirada dos restos mortais de dentro do jazigo, acondicionando em uma urna especifica, possibilitando a reutilização do espaço. O tempo mínimo para se realizar uma exumação é de 04 (quatro) anos a contar do último sepultamento realizado no jazigo.

É o mesmo que sepultar (enterrar).

Construção existente nos cemitérios, executada com placas pré-moldadas, onde os corpos são sepultados. Esse espaço físico é composto normalmente de 02 gavetas (compartimentos) abaixo do nível do solo, com capacidade para 01 (uma) urna em cada gaveta.

Os Cemitérios Parques inovaram o conceito de preservação da memória dos que partiram. O Cemitério Parque apresenta um conjunto paisagístico harmonioso, onde predominam a natureza, beleza, serenidade e respeito, tornando-se propício para os momentos de reflexão, e se diferenciam também por não permitir qualquer tipo de construção acima da superfície.

Já os Cemitérios Tradicionais têm sua história intimamente ligada à igreja. Tem como característica construções em forma de mausoléus ou capelas, muitas das quais são uma verdadeira obra de arte.

A abertura de um jazigo deve ser autorizada pelo titular do contrato.No caso de falecimento do proprietário (Titular), a autorização poderá ser solicitada por membros da família, parentes direto da pessoa falecida mediante a apresentação de documentos.

Sim. O proprietário pode autorizar o sepultamento de qualquer pessoa que desejar, respeitando a capacidade de 02 (dois) corpos em cada jazigo, e o período legal para se realizar a exumação.

Um crematório é um forno que transforma um corpo em cinzas de forma rápida. Para isso, os corpos são submetidos a uma temperatura de até 800C, por aproximadamente 2 horas (esse tempo pode variar de pessoa para pessoa). Após esse processo, as cinzas são recolhidas por uma abertura no forno. Depois de frias, elas passam por uma imã, que recolhem eventuais metais e por fim, são trituradas para que o tamanho dos grãos fique uniforme.

A família recebe uma pequena urna cinerária com as cinzas, e pode dar a destinação que desejar. É possível aspergir as cinzas (jogá-las no mar, por exemplo), levar para outros lugares, ou até mesmo, inumá-las dentro do jazigo.

A legislação brasileira determina que somente será feita a cremação daquele que houver manifestado essa vontade, e se o atestado de óbito houver sido firmado por 2 (dois) médicos ou 1 (um) médico legista e, no caso de morte violenta, depois de autorizada pela autoridade judiciária.  

Desse modo, é fundamental que a pessoa que queira ser cremada, registre no Cartório de Títulos, uma Escritura Pública de Declaração de Vontade. Se houver o falecimento e a pessoa não tiver deixado esse documento, a família deverá entrar com uma ação junto ao Poder Judiciário, solicitando ao juiz um alvará de cremação.

Documento expedido pelo Cartório de Registro Civil após o preenchimento da declaração de óbito. Este documento será definitivo da família, e nele constará todos os dados da pessoa falecida. Para lavrar a certidão de óbito, um membro da família deverá apresentar no cartório a Declaração de Óbito e os documentos da pessoa falecida. Somente com a certidão de óbito, a família poderá realizar o sepultamento.

Documento regulamentado pelo Ministério da Saúde, onde o médico atesta a causa mortis de uma pessoa. Somente Hospitais ou estabelecimentos regulamentados e fiscalizados pelo Ministério da Saúde podem fornecer esse documento. As Funerárias legalmente não tem acesso a este documento.

1ª Situação:

Quando a pessoa falece em casa e tem acompanhamento médico domiciliar, deve-se avisar ao médico que fazia esse acompanhamento para que ele possa preencher a declaração de óbito. No entanto, um membro da família deverá se dirigir ao SVO (Serviço de Verificação de Óbito) no Hospital da Polícia Militar e solicitar uma Declaração de Óbito Domiciliar, pois somente hospitais ou estabelecimentos regulamentados e fiscalizados pelo Ministério da Saúde podem fornecer esse documento. A partir disso, é que o médico que acompanhava o falecido poderá fazer o preenchimento da declaração de óbito. Uma vez preenchida, o familiar deverá retornar ao SVO para entregar uma via ao Hospital da Policia Militar.

2ª Situação:

Quando ocorre o falecimento de uma pessoa em casa e ela não tem acompanhamento médico, sendo vítima de morte natural e não violenta, a Funerária poderá remover o corpo para o SVO (Serviço de Verificação de Óbito) no Hospital da Polícia Militar, que irá fornecer a Declaração de Óbito. No caso de morte violenta dentro de casa, a família deverá solicitar a presença da Policia Civil, para que o corpo seja removido para o IML (Instituto Médico Legal), onde o Médico Legista após os exames, fornecerá a Declaração de Óbito.

Nas duas situações apresentadas, é necessário que o cessionário ou um familiar da pessoa falecida entre em contato com a administração do Jardim da Paz para solicitar os serviços adequados